sábado, 30 de abril de 2016 0 comments

A terra e a lua

Durante todas as noites, depois que todos vão  dormir, a lua e a terra têm um romance. E ainda que não possam tocar-se, todo o universo conta sobre o grande amor entre a terra e a lua.




domingo, 24 de abril de 2016 1 comments

Os bons costumes








Costumes, costumes costumes,
Como podem os servos de Deus
se tornarem escravos dos homens?

A canção de abertura da série turca não poderia ser mais apropriada ao momento em que estamos vivendo.  Momento em que o conselho dos aghas (aka, 'congresso nacional') toma decisões em nome da família, de Deus e, por que não dizer "dos bons costumes". Cabe a uma criança explicar que o agha "é o dono de tudo e de todos por aqui". Com um pouquinho mais de busca na internet, descobrimos que agha era o termo usado no Império Otomano (1299-1923) para designar o chefe de uma unidade política, que atuava como juiz e militar, grande proprietário. Na terra do pequi, "nosso adorado coronel".

A série conta a história do casamento entre o agha, Boran, e a filha de camponeses, Sila. A farsa se desfaz rapidamente e descobrimos que nem Boran nem Sila aceitam o papel que receberam ao nascer: o dele, de se tornar um assassino; o dela, de ser bela-recatada-e-do-lar. Juntos, Sila e Boran enfrentarão os costumes de Mardin, uma cidade perdida na história.

A série ganhou as televisões da Turquia, da Grécia, da Croácia, Eslovênia, da Servia, de Montenegro, da Bosnia e Herzegovina, da Macedônia, da Bulgária. Cruzou o oceano e tornou-se novela para cativar os públicos da Colômbia e do Chile. E, então, desembarcou no Brasil. Nesse telefone sem fio de inúmeras traduções, o questionamento às tradições se esvaziou. Na dublagem da Band, "agha" soa como um sobrenome qualquer. A punhalada mais gritante no texto, no entanto, vem da substituição da canção Töre (Costumes) de Sezen Aksu, cantora reconhecida mundialmente e ativista, por  Vai chegar de Li Martins (QUEM???), cantora estreante que foi trazida do reality A Fazenda. Não sejamos ingênuos, não se trata de uma adaptação para o (des)gosto musical brasileiro. A mudança tira o foco do questionamento das "leis dos homens em nome de Deus" e transforma a história em um conto de fadas mal-ajambrado em que a donzela espera por um amor que "vai chegar para durar para sempre, a gente tem de acreditar". 

ɑɑɑɑɑh:

Bile-em-vômitos-300x252.jpg (300×252)       
quarta-feira, 20 de abril de 2016 0 comments

Hope

sábado, 16 de abril de 2016 0 comments

O mesmo coração

"Se queres ser universal, começa por pintar a tua aldeia"
Tolstoi



Há algum tempo deixei de ter televisão em casa. Durante os anos de Holanda, a televisão não me fazia falta e depois no Brasil, levamos um tempo para decidirmos a comprá-la: uma Sony, gigante, de led que acabou por chamar atenção de alguns homens que a roubaram - o aparelho e minha paz...

Daí decidimos ficar sem televisão por tempo indeterminado. A decisão combinava com o discurso de "professora universitária" que não precisa de televisão, daquela que lê as notícias por diversos meios de comunicação - não ficando trancada na perspectiva manipuladora da Globo.

Para além do discurso, há uma mulher apaixonada por histórias longas, por histórias de amor, de ódio, de vingança. A mesma paixão que me leva para a literatura, também me leva para as novelas... Ah! Sim... Devo confessar que os capítulos iniciais de uma novela podem me cativar e me prender, como prendem à minha mãe, como prendiam à minha avó e é fácil imaginar que minhas bisavós ou tataravós também se prendiam por uma história de amor - seja essa história registrada em livros, folhetins, rádio, televisão ou agora no Youtube...

Assim, alguns dias em casa de minha mãe foram suficientes para que eu me interessasse pela história de Sila, uma jovem turca que se casa com o chefe de uma tribo do interior da Turquia. No decorrer dos capítulos (que assisto em Espanhol, na internet), a novela joga com as dicotomias turcas:

Istambul              Mardin
            Europa              Oriente Médio
atualidade          tradição 


Aparentemente a novela tenta criticar as tradições, o papel insignificante da mulher naquela sociedade, mas ao fazê-lo não deixa de ratificar os valores que condena. A autora parece consciente de que o maniqueismo não se sustenta, de que heróis e vilões têm "o mesmo coração". Em um diálogo intenso e preciso, enquanto Berzan descreve o crime que permitiu o nascimento de seu filho, Boran não o pode julgar, não pode se livrar de seus próprios pensamentos, de sua própria culpa: 

"O amor, sabes bem, o venenoso que pode ser. A diferença entre nós é que não tive a oportunidade de desculpar-me, nenhuma oportunidade".



terça-feira, 12 de abril de 2016 0 comments

Home sick


http://join.lovingvincent.com/
sexta-feira, 8 de abril de 2016 0 comments

Aula de fonética



Aula de fonética também pode ser divertida!!! Afinal nem todas as interjeições obedecem ao inventório fonológico, não é mesmo?


0,0:00:02.37,0:00:06.20, Descrição fonética de sons chatos que os adolescentes fazem
0,0:00:06.20,0:00:10.23,  voz sussurrada, vogal longa, baixa, posterior
 0,0:00:10.24,0:00:14.92,  não-arredondada  com língua avançada [ɒɒɒɒɒɒ]
 0,0:00:14.92,0:00:18.28,  oclusiva glotal
 0,0:00:18.28,0:00:22.51,  vogal reduzida, central, média, arredondada, seguida de fricativa glotal longa
 0,0:00:22.51,0:00:26.21,  ɜɜɜh:  ou
 0,0:00:26.21,0:00:30.64,  ɒɒɒh: colocada no começo
 0,0:00:30.64,0:00:34.12,  e clique alveolar com uma coarticulação velar
 0,0:00:34.12,0:00:41.12,  glide alveolar longa com voz crepitante (laringalizada) e oclusiva glotal
 0,0:00:43.73,0:00:47.66,  jeɁ  jeɁ
 0,0:00:47.67,0:00:54.67,  africada velar desvozeada [k͡x]
 0,0:00:58.14,0:01:01.82,  oclusiva alveolar vozeada, e voz susssurrada,
 0,0:01:01.82,0:01:06.55,  vogal baixa, posterior, não arredondada [˷tɑɑɑɑ]
 0,0:01:06.55,0:01:11.39,  finalizando com um ditongo com uma vogal alta anterior
 0,0:01:11.39,0:01:17.25,  [teeee]
 0,0:01:17.25,0:01:20.45,  fricativa glotal e vogal com voz sussurrada, média baixa, central, não arredondada
 0,0:01:20.45,0:01:23.59,  repetida [hɜ hɜ hɜ hɜ]
 0,0:01:23.59,0:01:29.59,  consoante pulmonar ingressiva vibrante nasal velar 
 0,0:01:29.59,0:01:33.61,  [...]
 0,0:01:33.61,0:01:38.11,  fricativa uvular labializada desvozeada   [χ{\fs10}w

 0,0:01:38.11,0:01:40.93,  Obrigado!

Quem sabe, não façamos um vídeo sobre os adolescentes brasileiros também!
 
;